"Você ora quando está aflito ou precisa de algo; mas também poderia orar na plenitude de sua alegria e em seus dias de abundância." Khalil Gibran

"Eu amarei a luz porque me mostra o caminho, mas eu vou suportar a escuridão porque me mostra as estrelas" Og Mandino

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Uma Estratégia Maligna dentro de algumas igrejas. ATENÇÃO!!!




O maior e mais eficaz estratagema de Satanás, diga-se de passagem, é fazer com que crentes verdadeiros vivam um falso cristianismo que pensam sinceramente ser autêntico (Stedman, 1975:17). É o que se pode chamar de ludíbrio das moedas falsas.

Li há vários anos um artigo de Arthur W. Pink, Outro Evangelho, no qual ele considera o seguinte:

" O sucesso de um falsificador de moedas depende de quão parecida a moeda falsa se torna com a genuína. A heresia não é uma negação completa da verdade, e sim uma perversão da verdade. Essa é a razão por que uma mentira incompleta é mais perigosa do que uma mentira completa. Por isso, quando "o pai da mentira" sobe ao púlpito, ele não costuma negar abertamente as verdades fundamentais do cristianismo; pelo contrário, ele as reconhece astutamente e, em seguida, apresenta uma interpretação errônea e uma falsa aplicação. " (Pink, 2003).

Essa é a razão pela qual há tanta gente que permanece em certos espaços religiosos sem se aperceber do engano que as envolve. Tal envolvimento leva-os às últimas consequências quanto a defender e a praticar o que para os outros é claro e inequivocamente errado.

Um caso clássico e radical foi o do "reverendo" Jim Jones. Ele próprio transferiu sua comunidade dos Estados Unidos para as Guianas, controlou seus adeptos e induziu-os ao suicídio coletivo. Mais de novecentas pessoas suicidaram sob seu comando pessoal.

Tudo se pode dizer a respeito daquele grupo, exceto que as pessoas fizeram a coisa errada achando que era algo errado mesmo. Fizeram a coisa errada convencidos de que aquilo era tão certo que valia a pena pôr fim à própria vida e à de seus filhos em nome do respeito e da obediência a seu líder. Foram convencidos, condicionados, conduzidos a crer erradamente. Jones construiu em torno de si uma mística e usou-a para enganar aqueles crentes que, dominados pelo engano, seguiram cegamente, sem questionamento, suas ordens.

Aquela indução ao erro, aliada à ameaças e abusos de toda sorte, incluindo uma forte e enfática teologia da autoridade espiritual, foi tão diabólica que quase ninguém se levantou para questionar ou conferir suas instruções com a Palavra de Deus, nem mesmo avaliarem as ordens de Jones à luz, pelo menos, do bom senso.

A história de Jim Jones e de sua comunidade é o que há de mais extremo para ilustrar a questão. Mas não vamos nos enganar achando que esse tipo de acontecimento é coisa do passado, distante de nós, e que não há qualquer relação entre o que ocorreu antes e o que ocorre hoje. Muitos e variados acontecimentos contemporâneos mais sutis, aparentemente de menor monta, guardam as mesmas características no que tange à força de influência (indução) para que as pessoas e grupos pratiquem o que é errado aos olhos daquele que tudo vê. Jesus discerne e conhece todas as coisas, e o fogo de seus olhos (Ap. 2:14) significa julgamento. Jezabel e seus seguidores estavam sob julgamento e ameaça de punição (Ap. 2:20-23).



Trecho retirado do livro "Uma Igreja Sem Propósitos", páginas 85 e 86 - Editora Mundo Cristão

Fonte: www.blogcruzvazia.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...