"Você ora quando está aflito ou precisa de algo; mas também poderia orar na plenitude de sua alegria e em seus dias de abundância." Khalil Gibran

"Eu amarei a luz porque me mostra o caminho, mas eu vou suportar a escuridão porque me mostra as estrelas" Og Mandino

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Reflexão: Não Ser Desobediente a Visão Celestial


"Por isso te apareci", Atos 26:16

A visão de Paulo a caminho de Damasco não foi uma emoção passageira, mas apenas uma visão que lhe deu diretrizes claras e firmadas; e ele afirma: "Não fui desobediente à visão celestial". E o que o Senhor disse a Paulo, na verdade, foi: toda a tua vida será um domínio meu; não terás mais objetivos, nem metas, nem alvos, a não ser os meus. "Eu te escolhi".
Quando nascemos de novo, todos nós temos intuições de como Jesus quer que nos tornemos – se é que somos realmente espirituais; e o mais importante é aprendermos a não ser desobedientes àquela visão, a não supormos que ela não terá porque ser alcançada por nós. Não basta sabermos que Deus redimiu o mundo e que o Espírito Santo pode tornar eficiente e permanente em nós tudo quanto Jesus já fez; mas, para isso acontecer, é preciso que tenhamos um relacionamento pessoalmente íntimo com ele. Paulo não recebeu uma mensagem ou uma doutrina para serem defendidas; ele foi levado a um relacionamento com Jesus Cristo bastante vivo, pessoal e que o dominava por inteiro. O versículo 16 é extremamente imperativo: "... para te constituir ministro e testemunha". A partir dali, nada mais há a não ser um relacionamento pessoal continuado. Paulo consagrou-se a JESUS, não a uma causa, ou um envio do homem. Ele pertencia completamente a Jesus Cristo; nada mais via, não vivia para mais nada. "Porque decidi nada saber entre vós, senão a Jesus Cristo e este crucificado".1 Coríntios 2:2

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...