"Você ora quando está aflito ou precisa de algo; mas também poderia orar na plenitude de sua alegria e em seus dias de abundância." Khalil Gibran

"Eu amarei a luz porque me mostra o caminho, mas eu vou suportar a escuridão porque me mostra as estrelas" Og Mandino

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

DEVOCIONAL: "Eu te glorifiquei na terra, consumando a obra que me confiaste para fazer", Jo 17,4.

A rendição pessoal não é a entrega da vida exterior, mas da vontade interior do homem; depois que se consegue isso, tudo está feito. Existem, na realidade, poucas crises na vida; a grande crise é a rendição da vontade de todo o homem global. Deus nunca esmaga a vontade duma pessoa para que ela seja manipulada; nunca lhe suplique que o faça; Ele simplesmente espera até que se lhe renda sua vontade e tem de ser essa vontade a render-se e não você a rendê-la. E nunca mais essa luta precisará repetir-se de novo.
Rendição para sermos libertados de nós. "Vinde a mim... e eu vos aliviarei", Mt 11,28. Só depois que começamos a experimentar o que significa salvação é que renderemos toda a nossa vontade a Jesus em troca desse alívio. Tudo que estiver perturbando nosso coração será sempre um apelo subtil à compra da nossa vontade de volta: "Vinde a mim." E essa aproximação tem que ser voluntária e real.
Rendição para sermos devotos. "Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo e…", Mt 16,24. A rendição aqui é do nosso "eu" a Jesus, visando entrar no descanso que só Ele dá. "Se ainda quiser ser meu discípulo, entregue-me seus direitos sobre si mesmo, todos quantos detém ainda". A partir daí, nosso viver será tão-somente um reflexo dessa entrega absoluta e incondicionalíssima. Depois de feita a rendi­ção, não precisaremos mais fazer nenhum tipo de suposição sobre nada. Não precisamos preocupar-nos com nossas circunstâncias; Jesus cuidará de tudo.
Rendição para a morte. Jo 21,18-19. "... Outro te cingirá". Você já aprendeu o que significa ser cingido para a morte? Cuidado com a rendição a Deus feita num momento de êxtase; você corre o risco de voltar atrás depois desse êxtase. A verdadeira rendição implica em estarmos unidos com Jesus em sua morte, a ponto de nada mais nos agradar senão ele – mesmo na morte – e a não ser aquilo que só agrada a Jesus.
O que vem depois dessa rendição? Depois dela, a vida toda é uma aspiração por uma incessante comunhão com Deus continuada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...